Domingo, 9 de Janeiro de 2011

Transbordar de emoção

Para alguém especial,

Que afugenta minhas palavras, mas preenche meu coração.


Transbordar de emoção

 

Ai ai, as palavras fogem...

Fogem como pássaros no jardim.

 

Não sei se são elas rápidas demais

Ou eu que estou adormecido de emoção

 

Só sei que as minhas lagrimas caem

E rolam por meu rosto até o chão

 

Talvez seja pelas palavras que correm

Ou pela felicidade que enche meu coração.


publicado por oeremitaurbano às 23:26
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 17 de Dezembro de 2010

Mortiço

Eis eu aqui, neste lugar seguro,
Longe da dor e do sofrimento.

 

Eis que estou livre agora,
Da angustia e do medo.

 

Tudo que sinto é o vazio,
Da própria existência.

 

Tudo que vejo é escuro,
Como a noite sem lua.

 

Tudo que escuto é o silencio,
Das vozes que se foram.

 

Os passos, renunciados por mim,
Já não podem levar-me de volta.

 

Tudo que resta é o sono,
Pois o despertar não chegará.

 

Sou eu, tudo que jaz aqui,
Tudo me abandou, abandonei tudo.

 

Estou morto, estou morto,
Este é o fim, o fim.


publicado por oeremitaurbano às 15:51
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 23 de Outubro de 2010

A loucura de se perceber vivo

Talvez seja a vida, apenas um sonho.

Por um louco, vivido, no fundo da mente.

Pobre e atormentada vislumbra o paraíso.

Em cálido estado de profundo realismo.

Talvez seja a loucura a única vertente.

De sentidos e paixões que governam a mente.

Talvez seja o louco, o mais sóbrio dos vivos.


publicado por oeremitaurbano às 14:59
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 7 de Julho de 2010

Até onde vai o silêncio?

Quando queremos dizer mais do que as palavras podem representar.

Quando apenas conseguimos dizer o obvio e o conhecido.

Incapaz, calamos as vozes que nos inflam o peito.

Acuados, recorremos ao silêncio.

 

Talvez a imensidão do vazio, sonoro, verbal.

Represente melhor o sentir da alma.

Do que palavras postas, por mentes avidas.

Em papel estéril. Com ordem e razão.

 

Talvez, nem mesmo o mais iluminado dos poetas capacidade teria.

Se aproximar de certo ele iria, mas apenas a rodear ficaria.

Talvez, somente um louco, em palavras, expressar conseguiria.

Mas oque as palavras de um louco, adiantaria?

 

Mesmo que fosse um poeta ou o mais iluminado deles.

Seria eu capaz de dizer uma só palavra digna sobre o que sinto?

Talvez como um louco devesse tentar. Mas o que adiantaria?

Como um louco escrever, se minhas palavras, você não entenderia.

 

Por isto que sigo em silêncio.

Pois talvez o silêncio, seja a mais pura forma de expressão.

Não pode ser distorcido em nem mesmo calado.

Só pode ser ouvido pelos que calam o coração.


publicado por oeremitaurbano às 23:19
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 27 de Junho de 2010

Estou de volta.

Hoje, voltava do interior.

Voltava de minhas terras,

Das terras onde me fiz.

 

A minha frente, ao cair da noite,

Surgiu no horizonte a lua cheia.

Tão grande e laranja em minha frente.

 

Aos poucos, ela vai subindo e diminuindo.

Em seu caminho atravessando o céu,

Ela vai empalidecendo, ela vai se isolando.

 

Como a lua, em meu caminho,

Também vou diminuindo.

Vou me empalidecendo e me isolando.

 

Volto ao meu exílio,

Volto a ser um eremita.

O Eremita Urbano.


publicado por oeremitaurbano às 23:33
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Transbordar de emoção

. Mortiço

. A loucura de se perceber ...

. Até onde vai o silêncio?

. Estou de volta.

.arquivos

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

.subscrever feeds